Pular a navegação e ir direto para o conteúdo




Blog > Sala de Imprensa > Clipping > Leste-Oeste e BR-101 terão estilo curitibano

Leste-Oeste e BR-101 terão estilo curitibano

Publicado pelo Jornal do Commercio – Cidades, 22/11/2009

 

O modelo curitibano de transporte, com embarque em nível, prioridade viária e pagamento antecipado das passagens, deverá estender-se a mais dois corredores da Região Metropolitana do Recife: o Leste-Oeste, na capital, e o contorno urbano da BR-101 no Recife. De olho na mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014, o governo federal garantiu recursos na semana retrasada para esses projetos, num valor aproximado de R$ 300 milhões. Desse total, R$ 71 milhões seriam para o Leste-Oeste e R$ 200 milhões para a BR-101.

No caso do Corredor Leste-Oeste, uma das obras mais polêmicas construídas no Recife nos últimos anos, seria necessário apenas uma requalificação. O eixo ganharia estações-tubo, com o pagamento das tarifas fora dos coletivos, e, talvez, canaletas no lugar das faixas existentes. O custo maior, segundo João Braga, que está coordenando o projeto do Corredor Norte-Sul pelo Urbana-PE, sindicato dos empresários de ônibus e que contratou o planejamento básico dos curitibanos, seria para prolongar o corredor em sete quilômetros, ligando Timbi, em Camaragibe, à vizinha cidade de São Lourenço da Mata.

No caso do contorno urbano da BR-101, a proposta assemelha-se à Linha Verde, o mais novo exemplo da excelência de Curitiba com o zoneamento e o planejamento urbano. Ela representa o sexto eixo do sistema curitibano. A primeira etapa, que liga o eixo Sul ao Centro, foi inaugurada há um ano e consegue oferecer uma velocidade comercial de 30 km/h. Implantada no trecho urbano da rodovia federal, já começa a mudar o cenário local, estimulando o adensamento no entorno nos seis bairros cortados por ela. Nas nove estações-tubo existentes é possível fazer integração com linhas alimentadoras e o eixo Boqueirão. A Linha Verde é hoje o novo orgulho dos curitibanos.

“A proposta que estamos levando de Curitiba para o Recife representa o começo. No projeto do Corredor Norte-Sul, por exemplo, ele se encontra com outros oito eixos, que no futuro podem incorporar a mesma concepção de estações-tubo, embarque em nível, pagamento antecipado e canaletas exclusivas. Entre eles está a Avenida Caxangá. Esse processo é comum e também aconteceu com o modelo curitibano. Começamos com dois eixos e, com os anos, outros foram sendo feitos, ampliando a rede integrada. O último foi a Linha Verde. O importante é manter o conceito de eficiência”, pondera Carlos Ceneviva, arquiteto e coordenador do Norte-Sul.



Deixe um comentário