Pular a navegação e ir direto para o conteúdo


Blog > Notícias > Estado pretende anunciar tipo de modal para a Copa de 2014 em PE

Estado pretende anunciar tipo de modal para a Copa de 2014 em PE

Uso do monitrilho será definido amanhã

O Estado deve anunciar até amanhã se as obras de mobilidade para a Copa 2014 em Pernambuco incluirão ou não o transporte público de passageiros por monotrilho, espécie de metrô que trafega acoplado a um trilho elevado. O prazo é o limite para a escolha e foi informado pelo governador Eduardo Campos no início do mês. As avenidas que ainda estariam em estudo para receber o monotrilho são a Norte e a Agamenon Magalhães.

Os editais para a escolha das empresas que tocarão as obras do sistema especial de ônibus a ser adotado em cinco grandes corredores já estão sob análise do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Mas a decisão sobre quais deles adotarão o sistema, conhecido como Bus Rapid Transit (BRT), já havia sido tomada quanto à BR-101, ao Corredor Leste-Oeste e quanto a um trecho do Corredor Norte-Sul, entre Igarassu e o Tacaruna. No total, as obras podem chegar a R$ 1,8 bilhão.

O BRT prevê venda antecipada de passagens, veículos articulados e estações com embarque na mesma altura dos ônibus, entre outros pontos.

Os projetos viários das obras de mobilidade para o Mundial 2014, em Pernambuco, deveriam ter começado a sair do papel em abril do ano passado: era a Via Mangue, que somente este mês teve o contrato com a Caixa Econômica Federal. Segundo a prefeitura, serão 30 meses de obras, o que deixaria a Via Mangue pronta a tempo para a Copa do Mundo.

No caso das obras sob o guarda-chuva do governo estadual, segundo a Controladoria-Geral da União (CGU), os canteiros deveriam ter começado a trabalhar em junho do ano passado.

Primeiro as obras começaram a atrasar. Depois, em novembro do ano passado, um consórcio apresentou uma proposta para estudar uma parceria público-privada (PPP) do monotrilho em três corredores da Região Metropolitana do Recife (RMR). Os interessados são a Galvão Engenharia, Construtora Norberto Odebrecht e Odebrecht Transport Participações, que já descartaram um dos três eixos: a Avenida Caxangá.

Agora, a espera é para saber se o corredor Norte-Sul juntará em seus 43 km um misto de tráfego de ônibus com monotrilho e qual será a solução para os 8,1 km da Avenida Norte.

Fonte: Jornal do Commercio, Caderno de Economia